Monica Iozzi fala sobre afastamento das redes sociais: “Até que limites da tolerância voltem”

Vade RetroCeleste (Monica Iozzi) em cena de “Vade Retro”
(Foto: Globo/Ramón Vasconcelos)

A atriz e apresentadora Monica Iozzi, no ar na série “Vade Retro”, decidiu abandonar as redes sociais após defender o ex-Presidente Lula e receber uma chuva de comentários maldosos.

Tudo começou no sábado, 13 de maio, após um post criticando a propaganda de Dia das Mães das Lojas Marisa. A rede de departamentos lançou o seguinte slogan: “Se sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa”. A frase acabou gerando polêmica, uma vez que foi apontada por internautas como uma crítica ao ex-presidente Lula.

“Não interessa o que Lula disse! Não interessa a interpretação de ninguém sobre o que ele disse. Esqueçam o Lula! Estamos falando sobre uma senhora que sofreu muito antes de morrer. Uma empresa utilizar a imagem de uma pessoa falecida para fazer marketing? Onde vamos parar? Meu Deus!!! Não há mais respeito a nada no mundo??? Nem à memória de uma mãe, de uma avó? Que nojo. Que tristeza”, escreveu ela.

Em sua última publicação no Facebook, a atriz criticou a agressividade na web. “Porque de vez em quando, por mais que ainda exista esperança, nos cansamos de repetir e defender o óbvio. Não significa desistir. Significa respirar fundo e esperar até que a alegria em lutar retorne. E sim, ela há de voltar! Mas não agora…”

Por meio de sua assessoria, Monica falou ao “Purepeople” sobre o afastamento. “Monica resolveu tirar férias das redes sociais até que os limites da tolerância voltem a respeitar a divergência de ideias”.

5 dicas chave para otimizar seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociai

Recortado de: http://saiadolugar.com.br/marketing-online-nas-redes-sociais/

Para obter resultados positivos com suas campanhas de Marketing Online nas Redes Sociais, é preciso ordenar sua atividade a partir de uma estratégia. Somente dessa forma é possível aumentar a produtividade e eficiência! Por isso, hoje eu vou compartilhar com você 5 conselhos essenciais para maximizar a eficiência das suas ações de Marketing Online nas redes sociais

1- Organize sua estratégia de publicação

Existem dois elementos fundamentais que devem estar presentes no seu trabalho de Marketing Online ou Marketing de Conteúdos nas redes sociais para que você consiga ter um sucesso sustentável no tempo. O primeiro deles é ter um objetivo claro, uma vez que sem uma meta, sem saber onde você quer chegar, é muito difícil orientar seus esforços de forma eficiente.

Em segundo lugar, é preciso ordenar suas atividades no sentido de administrar seus recursos da melhor forma para conseguir atingir seus objetivos. Sendo assim, a melhor forma de gerenciar suas tarefas de social media é definir e documentar sua estratégia de marketing nas redes sociais para atingir metas concretas.

Isso é o que as estatísticas dizem, já que 36% dos negócios que trabalham com uma estratégia documentada consideram-se bastante eficientes, três vezes mais do que os que não contam com estratégias documentadas. Por outro lado, nesta instância, você precisa saber quais são as redes sociais nas quais vai trabalhar, tudo para encontrar seu público-alvo.

Aconselho que você inclua o Facebook entre suas redes, já que, pelo seu tamanho, é bastante factível que seu público se encontre nesta plataforma. Além disso, oferece várias vantagens publicitárias que permitem maximizar a eficiência dos seus investimentos. Por outro lado, se seu público é majoritariamente feminino, aconselho que você publique no Pinterest, plataforma com 85% do público composto por mulheres.

2- Use as ferramentas adequadas com sua equipe de trabalho

Outro ponto fundamental na hora de maximizar a eficiência dos seus trabalhos de Marketing Online ou de Marketing de Conteúdo é usar as ferramentas adequadas. Tudo para simplificar a execução de suas tarefas e aproveitar melhor o tempo. Assim, na hora de criar conteúdos para o seu blog ou perfis nas Redes Sociais, aconselho que você use:

ArtStudio: Um completo editor de imagens online que oferece vários recursos para criar um design atrativo sem que seja necessário ter muitos conhecimentos específicos. Além disso, permite que você compartilhe cópias editáveis das imagens com os outros membros da equipe que podem usá-las novamente ou traduzir os conteúdos com mais facilidade.

Google Docs: Excelente alternativa para revisar documentos de forma colaborativa. Essa ferramenta permite que você crie e edite documentos e textos online, inserir comentários, salvar cópias na nuvem ou baixar para o computador. Além disso, é ideal para trabalhar em equipe, já que manda notificações quando alguém interage com o documento.

BuzzSumo: trata-se de um buscador online que lhe permite decidir que tipos de conteúdos vai publicar no seu blog. Com BuzzSumo, você pode analisar quais são os conteúdos mais compartilhados pelos seus concorrentes ou pelos melhores blogs nas redes sociais e usá-los como referência na hora de criar seus próprios artigos.

3- Defina um método prático para manter suas contas sempre atualizadas

Como você já sabe, suas contas sociais não existem somente para difundir artigos do seu blog. Muito menos para compartilhar somente as ofertas do seu negócio. Muito pelo contrário, suas contas são um espaço de permanente encontro com o seu público e você precisa mantê-las ativas e publicar conteúdos interessantes várias vezes por dia.

É importante destacar que conteúdo interessante faz referência às publicações capazes de informar, educar, comover ou entreter o público. Ou seja, capazes de oferecer valor agregado. Dessa forma, uma vez que você tenha encontrado as melhores fontes externas de conteúdos, é hora de atualizar suas contas permanentemente.

Aconselho que você defina os melhores horários para publicar em cada Rede Social com a ajuda de programas de analíticas como o Facebook Insigths ou Twitter Analytics. Com estas ferramentas, você pode anotar quais foram as horas em que seu público se mostrou mais ativo em relação às interações com suas postagens. Também sugiro que você crie um calendário de postagens.

E finalmente, para não ficar louco ou passar noites em claro para conseguir manter todas as suas contas sociais em dia, recomendo que você use Postcron, a ferramenta que permite que você programe suas publicações no Facebook, Twitter, LinkedIn, Google e Pinterest para que as mesmas sejam compartilhadas automaticamente nos horários que você indique.

4- Identifique seus melhores conteúdos e compartilhe-os novamente

Outra forma de aumentar a eficiência do seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociais tem a ver com maximizar os benefícios obtidos pelas melhores publicações. Em outras palavras, aproveitando a constante renovação do público, a ideia é identificar os posts de maior sucesso em cada rede e voltar a publicar o mesmo conteúdo.

Assim, se você precisa aumentar a CTR ou Click Through Rate (ou seja, a quantidade de clicks que seus links recebem), a melhor coisa é selecionar as postagens de maior sucesso que tenham links a sua página ou blog. Isso também vai ajudar a aumentar o tráfego web.

Por outro lado, também é bastante aconselhável voltar a compartilhar as publicações bem recebidas pelo público e que falem sobre outras temáticas já que as mesmas são efetivas na hora de ganhar novos seguidores e gerar interesse em quem não tenha visto suas postagens anteriores.

Dessa forma, recomendo que você reutilize conteúdos em todos os seus perfis sociais após algumas semanas (mais ou menos duas) até voltar a compartilhar novamente seus melhores posts. Ainda assim, sugiro que você o faça sempre em horários diferentes para não entediar seu público e aumentar as possibilidades de atingir usuários com diferentes hábitos em relação aos horários.

5- Otimize suas Publicações RRSS

Finalmente, para aumentar a eficiência e produtividade do seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociais, você pode colocar em práticas as seguintes recomendações específicas para cada plataforma:

No Twitter:

  • Se você precisa aumentar a CTR, tente não incluir hashtags ou menções nos seus tweets e sim somente o link que você quer promover, já que, de outra forma, as pessoas vão ter opções demais para clicar e as possibilidades de aumentar o tráfego diminuem.
  • Fixe um tweet na parte superior do seu perfil que contenha as informações ou links que você precisa promover.
  • Lembre-se de colocar links para sua página web na sua bio do Twitter.

No Facebook:

  • Etiquetar usuários pode servir para maximizar a exposição, mas sempre que você o faça, crie tags na descrição da publicação, não nas fotos. Caso contrário, você pode parecer invasivo.
  • Lembre-se de usar imagens atraentes em todas as suas postagens para criar o famoso Stopping Power, ou seja, conseguir fazer que o usuário se detenha para ver a sua postagem em meio ao mar de publicações que aparecem no seu newsfeed.
  • Aproveite a função Destacar Vídeo no Facebook para apresentar seu negócio ou promover seus produtos e serviços usando conteúdos audiovisuais.

No LinkedIn:

  • Crie páginas do seu negócio e dos seus produtos ou serviços e complete os perfis com imagens, descrições e links para sua página. Isso vai melhorar a sua imagem de marca e, de quebra, ainda potencializa a exposição dos seus conteúdos.
  • Revise frequentemente as sugestões de contatos para seguir conectando-se com pessoas vinculadas a seu ramo de atuação e estejam potencialmente interessadas em seus produtos.
  • Aproveite os filtros do buscador do LinkedIn para encontrar potenciais clientes (especialmente se você faz marketing B2B).

No Pinterest:

  • Sempre use imagens em alta resolução. Tenha em conta que esta rede social funciona, em grande medida, como um catálogo online, portanto uma boa apresentação é fundamental.
  • Tire proveito dos boards na hora de apresentar suas coleções. Por exemplo, se você vende móveis, um painel poderia se chamar “Móveis de jardim”.
  • Lembre-se que cada nome no Pinterest funciona como uma tag nos resultados das buscas. Então, seja preciso e claro para que os usuários possam lhe encontrar com facilidade.

E isso é tudo por hoje! Coloque em prática estes 5 conselhos e você vai poder maximizar a eficiência do seu trabalho de Marketing Online em Social Media.

Gostou da postagem? Qual foi o conselho que você achou mais útil? Deixe seus comentários e, por gentileza, não se esqueça de conferir o post Como pessoas inteligentes lidam com pessoas difíceis!

Como definir o posicionamento da minha marca

Você provavelmente já ouviu falar um pouco sobre posicionamento. E, de início, ele pode aparecer para você como uma pergunta insistente que fica lá no fundo da sua cabeça toda hora e não quer saber de sair de jeito nenhum: “como meus clientes vêem minha marca e como ela é lembrada?”.

Basicamente, se posicionar é fazer escolhas, e renunciar outras tantas possibilidades. E isso, todo mundo faz todos os dias: ao acordar, você escolhe entre tomar café ou suco; ao ir para o trabalho, você escolhe se vai pelo caminho de sempre ou tenta um novo para evitar o trânsito. No fim, você escolheu apenas uma dessas coisas, fez uma opção. Mas o que será que levou você a chegar nessas decisões?

A imagem que sua empresa reflete e a sua proposta de valor é o que vão guiar todo esse processo dentro da mente do consumidor. Você já se perguntou porque algumas empresas inspiradoras conseguem alcançar coisas que parecem extrapolar todas as expectativas? O que elas fazem de diferente?

Simon Sinek, antropólogo americano, estudou a fundo empreendedores incríveis e suas organizações e descobriu que o segredo está na maneira que eles pensam, no seu modelo mental. Ele foi atrás para saber o que motiva o consumidor a comprar determinado produto ou serviço, e então criou uma ferramenta muito útil chamada de “Círculo Dourado”. Ela é composta por 3 etapas de definição: porquê, como e o quê.

A maioria das empresas sabem o quê fazem, é o mais fácil de definir, certo? Vou dar um exemplo rápido: a minha empresa vende motos. Pronto, já sei o que eu faço!

Algumas, sabem como fazer (como vender motos) e pouquíssimas sabem porquê o fazem (porquê eu vendo motos). O porquê é o coração de tudo, é o seu propósito, sua causa, é aquilo em que você acredita.

William S. Harley e Arthur Davidson, quando fundaram a Harley Davidson, escolheram um posicionamento diferente de todas as outras marcas de moto do mundo. Basicamente, eles vendem motocicletas, mas o porquê eles vendem elas vai muito além disso. A marca acredita na sensação de liberdade, no espírito selvagem e na atitude de viver a vida ao máximo. Isso foi escolha, isso foi posicionamento estratégico. E principalmente, isso foi paixão.

Grande parte das empresas se comunica de fora para dentro, pensando antes de tudo no o quê, e por último pensando no porquê. Os negócios de sucesso fazem justamente o caminho inverso. Tá, mas porque isso dá tão certo? Pelo simples motivo que as pessoas não compram o que você faz, e sim o porquê você faz.

Tudo isso tem a ver com a biologia do nosso cérebro. Ele funciona nessa mesma estrutura do “Círculo Dourado”. O neocórtex é responsável pelo lado racional e da linguagem, enquanto que a parte límbica é responsável pelos sentimentos e comportamentos, como lealdade, confiança e tomada de decisão.

Quando você começa a comunicar o seu porquê ANTES, você atinge direto o comportamento das pessoas e depois fica muito mais fácil comunicar seus benefícios e falar de coisas mais tangíveis, afinal você já convenceu que é da sua marca que elas precisam.

O posicionamento de marca entra para equilibrar todos esses aspectos e ajuda a refletir a imagem que você gostaria de passar para os seus consumidores.

O “Círculo Dourado” é uma ferramenta super fácil de usar, basta você anotar dentro dos círculos os o quê, como e porquê da sua empresa.

Se quiser se aprofundar mais no assunto, Simon escreveu um livro chamado de “Por Quê? – Como Grandes Líderes Inspiram Ação”. Vale a pena conferir!

Seja relevante para as pessoas

Todo mundo ama marcas que fazem a diferença em suas vidas. Em 2014, o mundo todo viu a Blockbuster, a maior empresa de aluguel de filmes, ir a falência. Reed Hastings enxergou uma necessidade e fez dela uma oportunidade, quando fundou a Netflix. Ele passou a oferecer aluguel de filmes também, só que online e por um preço justo. Hoje, podemos assistir a um monte de filmes, que custam menos que um ingresso de cinema e nem precisamos sair de casa para isso.

Os seus clientes precisam considerar o seu trabalho relevante dentro do segmento que você atua. Quando a sua empresa tem um posicionamento bem claro, seus clientes sabem definir com facilidade seus diferenciais perante a concorrência e, assim, você passa confiança, gera credibilidade e valor para eles e, consequentemente, aumenta a fidelização.

Mas como ser relevante e escolher o lugar certo para ocupar o mercado? Aqui, é importante você definir algumas coisas: quem você deseja atingir e como você pode ajudar a solucionar o problema dessas pessoas. A seguir eu explico tudo tim-tim por tim-tim!

O poder da segmentação

Bom, para vender alguma coisa, você precisa entender para quem você vai vender. Traçar o perfil do seu consumidor é uma tarefa trabalhosa e que vai exigir um tempinho, mas não desista porque isso é essencial para o seu negócio funcionar legal.

Entender para quem você vende vai muito além de dados demográficos. É preciso ir mais a fundo e saber coisas do tipo: como essa pessoa se comporta? Como ela consome conteúdo? Que tipos de assuntos ela busca? Qual seu nível de conhecimento no mercado em que atuo? Ela compra pela internet?

Sem dúvida saber esses detalhes vai fazer toda a diferença para o seu negócio e tornar você muito mais seguro na hora de oferecer seu produto ou serviço, porque você vai saber exatamente com quem está se comunicando.

Para ajudar nessa etapa do posicionamento estratégico, é preciso definir suas Personas. Esse é o nome dado a um monte de características dos consumidores de uma empresa. Para dominar o assunto, a gente tem um Kit Estudo de Personas que vai ajudar você a montar uma persona através do Mapa da Empatia.

A Coca-cola é uma marca que conhece muito bem seu consumidor. Quando perceberam que o mundo todo estava numa grande tendência de vida saudável, eles mudaram sua imagem e convidaram as pessoas para falar sobre obesidade, provocando o consumidor a praticar atividades físicas:

Tenha diferenciais

Ser diferente todo mundo quer, não é? Mas na prática isso pode ser um pouco complexo. Quando se trata de abrir um negócio, parece que todo mundo sai avançando para todos os lados e não encontra um foco. Para resolver isso, você precisa responder mais algumas perguntas:

  1. Porquê quero abrir essa empresa? (lembra do porquê lá de cima e como ele é importante durante todo o processo?)
  2. O meu cliente realmente precisa desse produto ou serviço que tenho a oferecer?
  3. O mercado tem tamanho suficiente para minha empresa atuar?
  4. O meu trabalho e da minha equipe suprem as principais necessidades do negócio?

Respondendo essas perguntinhas (ok, são grandes perguntas), você já consegue visualizar os primeiros sinais dos seus diferenciais e voilá, você se tornou diferente – em alguma coisa – do seu concorrente!

Dica de ouro: nessa fase, procure conversar com o máximo de pessoas possível. Faça perguntas, deixe que elas te façam perguntas e não tente convencer ninguém de nada. Isso vai ajudar a conduzir você e a sua empresa através de novas visões e talvez despertar algum caminho que você ainda não havia pensado.

Isso também é diferencial, porque dificilmente as pessoas expõe esse tipo de coisa para os outros, por puro medo de ter a ideia do seu negócio sendo confrontada. Existem histórias de grandes inventores que criaram coisas inteligentíssimas, mas cometeram o erro de não validar isso com o mercado. Criaram algo fantástico, mas que as pessoas não queriam usar.

Análise SWOT

Todo tipo de negócio precisa de planejamento e a análise SWOT ajuda a iniciar um. Ela é uma ferramenta utilizada para identificar os pontos fortes e fracos da sua empresa e também, as oportunidades e ameaças que ela está exposta.

Ela resume tudo, organiza de uma forma visual para facilitar a compreensão e ajuda você a conhecer sua empresa melhor, onde ela precisa melhorar, criando a oportunidade de mudar esses pontos. Assim, a sua marca entrega uma experiência cada vez mais agradável para o consumidor.

Forças

É aquilo que você faz de melhor, no que você é realmente bom. Para ajudar a apontar suas forças, responda às seguintes perguntas (responda com honestidade, vai fazer toda a diferença):

  • Quais são seus serviços e produtos de maior qualidade?
  • O que somente você faz que o diferencia dos seus concorrentes?
  • Quando alguém fala da sua empresa, qual a característica que mais está em evidência?
  • Você domina determinado assunto? Qual?
  • Você possui experiência suficiente?
  • O que você faz está alinhado com seu propósito? Você realmente acredita no seu negócio e o faz com paixão?

Fraquezas

Saber das fraquezas do seu negócio é muito importante para entender onde você precisa melhorar e entregar um resultado cada vez melhor para seus clientes. Provavelmente, na hora de você responder quais são suas Forças, você já respondeu também as Fraquezas. Vamos organizar isso melhor:

  • Quais são seus pontos a serem melhorados?
  • Você conhece bem seu cliente? Sabe suas necessidades e dores? (Crie sua persona antes, porque vai ajudar mais nessa resposta)
  • Você conhece bem o seu segmento e o mercado em que atua?
  • Acha que possui alguma falha na gestão ou nos seus processos internos?
  • Você possui uma infraestrutura adequada para suas atividades?
  • Sua equipe gera resultados? Ela está motivada e acredita nos valores da empresa?

Oportunidades

É tudo que influencia de forma positiva a sua empresa. E nessa categoria, é importante pensar de forma macro, observando o ambiente externo:

  • Que tendências você pode aproveitar a seu favor?

 

  • Existe alguma fatia do seu segmento que não foi bem atendida ainda? Você consegue atender?
  • Existe a possibilidade de formar parcerias com outras empresas ou profissionais, a fim de agregar mais valor para seus clientes?

Ameaças

É tudo aquilo que pode prejudicar sua empresa. Aqui, você tem que pensar de forma macro também:

  • O que seus concorrentes andam fazendo pode afetar sua empresa? De que forma?
  • A economia, legislação do seu país, estado ou cidade podem prejudicar sua empresa?
  • Existe alguma previsão negativa do mercado?

Depois de responder essas questões, você pode montar algo como o desenho a seguir. Não precisa deixar tudo lindo, apenas deixe tudo de uma forma organizada e visual.

5 Forças de Porter

Depois de olhar bastante para a sua empresa, agora você precisa olhar para o que a sua concorrência anda fazendo. Michael Porter, professor da Harvard Business School, propôs uma análise de como certas forças competitivas podem moldar a estratégia de uma empresa.

Quem são seus concorrentes diretos?

Nem toda empresa que vende o mesmo produto é concorrente. Por exemplo, a Cacau Show e a Kopenhagen vendem chocolate, mas elas não vendem para o mesmo público. Para saber quem são seus concorrentes diretos, ou seja, aqueles que vendem a mesma coisa que você e atendem a mesma fatia do mercado, vale pensar em algumas coisas:

  • Cite todas as empresas que você acredita serem concorrentes diretos do seu negócio
  • Pense se essas marcas já estão consolidadas no mercado e tente entender o porquê
  • Eles tem alguma vantagem competitiva? (por exemplo: menor custo e melhor localização)

Poder de negociação dos seus clientes

Aproveitando o gancho do menor custo, você precisa entender que quem dita muitas regras do mercado são os próprios clientes. Eles têm o poder de determinar, muitas vezes, quando uma marca precisa baixar seu custo e isso faz com que o mercado jogue um concorrente contra o outro. É por isso que a sua proposta de valor precisa estar bem definida, assim você vai oferecer muito mais coisas significativas e relevantes para os seus clientes.

Quais são os produtos substitutos?

Por mais inovador que seu produto ou serviço seja, lembre que ele pode não ser a única solução para resolver o problema de alguém. Podem existir inúmeros outros que têm funções diferentes dos seus, mas que no fundo, resolvem o mesmo problema. Tente listar que outros produtos ou serviços ofereçam os mesmos benefícios que os da sua empresa e lembre de olhar para os seus diferenciais nessa parte do processo de posicionamento.

Poder de negociação com seus fornecedores

Esse é um dos problemas mais recorrentes de qualquer empresa: não ter bons fornecedores. Não importa qual é o seu segmento, em algum momento você vai precisar de recursos e, eles vêm de fornecedores.

Às vezes, você escolhe um fornecedor que vai vender também para o seu concorrente, vai atrasar o prazo, a qualidade pode cair, o preço aumentar e infinitas outras situações. E aí, eu acredito que entra um ponto importante que tem tudo a ver com o que já falamos, que é o propósito. Invista seu tempo na busca por fornecedores que estejam alinhados ao seu propósito, que entendam a sua paixão e queiram fazer parte disso. Isso permite um bom envolvimento com eles e possivelmente a experiência será bem diferente.

Evite ameaças dos novos concorrentes

Se você tem algo inovador, é bom estar preparado, porque vão aparecer muitas empresas querendo fazer a mesma coisa que você faz. E se você não buscar estar em constante crescimento, uma dessas empresas pode abocanhar seus clientes e entregar algo melhor que você.

Prepare a sua empresa para evitar que ela balance por qualquer ameaça externa. E aqui entram pontos bem específicos como: patentes, marcas devidamente registradas e contratos. Tenha tudo isso bem resolvido desde o começo!

Perseverança 

A Skol criou o posicionamento “A cerveja que desce redondo” e trabalhou nela por muitos e muitos anos, até fixar na cabeça do consumidor. Hoje, quando você vê uma Skol no supermercado, já lembra que ela desce redondo. Isso é o que Al Ries e Jack Trout chamam de perseverança em seu livro “Posicionamento: a batalha por sua mente”.

O que acontece é que grande parte das empresas, ao conquistarem o sucesso, abandonam seu posicionamento com medo que limitar a venda do produto. E aí é que está o problema! É preciso agarrar uma oportunidade, perseverar com seu posicionamento e mantê-lo por muito tempo para consolidar sua marca no mercado.

Se você se interessou pela teoria dos autores do livro, recomendo que faça a leitura completa. O livro é bem prático e traz muitas dicas valiosas.

Conclusão

Você recebeu dicas valiosas de como estabelecer o seu posicionamento no mercado e certamente fará isso com muita facilidade. Mas o que eu quero que você lembre é que, quando você entrega valor, as pessoas devolvem valor para você. Por isso, foque no seu objetivo e não perca ele de vista nas inúmeras atividades da sua rotina.

A minha última dica é: execute hoje, com todos os recursos e ferramentas que você possui. Não precisa deixar o processo de descoberta do seu posicionamento algo engessado e complexo, apenas comece com alguma coisa e vai ver que todo o resto vai fluir.

E tenha paciência. Uma empresa precisa de investimento contínuo em aprendizado e conhecimento para amadurecer!

Papo Sincero: Afastar-se de certas pessoas melhora a saúde e a alma

Algumas pessoas cansam-nos, sugam-nos energia e aniquilam a nossa capacidade de reação. Elas são verdadeiras destruidoras da nossa saúde e paz interior, adoecem a nossa capacidade emocional e distorcem as nossas sensibilidades. Afasta-te delas e verás a incrível melhoria na tua saúde física e emocional.
A verdade é que ao longo do tempo, passamos a desconhecer muitas pessoas que pensávamos conhecer, e percebemos que vivemos sujeitos às suas exigências, à sua conversa, ao seu comportamento e, especialmente, às suas emoções tóxicas.
Essas pessoas não sabem como respeitar e considerar os outros, e utilizam-nos como marionetes do seu mau caráter e alvos de conflitos externos e internos. Elas não vivem e deixam viver e, portanto, impedem o desenvolvimento e crescimento pessoal dos que as rodeiam.
“Podem fazer isso de forma consciente ou não, mas é evidente que nos afogam e intoxicam, fazem-nos sentir vulneráveis, fazem com que fiquemos com raiva facilmente ou que desejemos fugir e abandonar tudo.”
Obviamente, embora fosse mais adequado, nem sempre podemos afastar-nos fisicamente destas pessoas, pois podem ser da família ou colegas. No entanto, podendo ou não fazê-lo, o importante é conseguir um distanciamento emocional. Então, o melhor a fazer é começarmos a ter a força para nos mantermos fora da sua capacidade de ação, não permitindo que elas influenciem o nosso comportamento.
Como podemos distanciar-nos emocionalmente de alguém que nos fere?
Se tens alguém na tua vida que te está a magoar, tu podes jogar com a vantagem da antecipação, porque sabes que as suas reações ou intenções são previsíveis. Para de dar importância ao que essas pessoas fazem e foca-te nos problemas que elas te estão a criar, assim terás mais oportunidades de crescimento e pararás de minar a tua força e autoestima.

Temos também que jogar com as expectativas. Esperamos tanto dos outros que somos incapazes de aceitar a realidade como ela é. Isto gera desapontamentos e desilusões, alimentando uma atmosfera na qual é muito difícil respirar.
“Manter uma perspectiva saudável da situação irá ajudar-nos a alcançar certa indiferença e desceremos dessa montanha-russa emocional, separando-nos das nossas preocupações e libertando as nossas inseguranças e reações desproporcionais. Isto terá um resultado tão rápido e direto quanto satisfatório: os nossos problemas irão diminuir e poderemos viver em paz.”
Quando nos afastamos da dor, aproximamo-nos da felicidade
Afasta-te do medo e aproxima-te da indiferença. Não te magoes a tentar manter uma boa impressão sobre os outros ou a pensar que eles têm sempre boas intenções.
Dizem que quando alguém tem a intenção de prejudicar-nos, o melhor desprezo que podemos fazer é não dar apreciação; ou seja, não deixar que minem a nossa autoestima e ignorar as mensagens negativas.
Ambientes tóxicos e em conflito têm uma capacidade de contágio devastadora para a nossa saúde. Quanto mais tomarmos distância emocional deles, melhor nos sentiremos.
“A vida é muito curta para viver em angústia. Assim, ama as pessoas que te tratam bem e distancia-te daquelas que não o fazem. Sem arrependimentos.”

Leia mais: A mente é maravilhosa

A era dos APPS e das redes sociais

Há 10 anos atrás ninguém imaginaria que as redes sociais tornariam-se tão relevantes como são. A busca desenfreada por seguidores e curtidas, mexeu com os padrões de vida de muitas pessoas e o poder de influenciar a partir da web aumentou consideravelmente. Além de surgirem oportunidades de negócios a partir das próprias redes sociais e aplicativos, outras empresas existentes passaram a adotar essas tecnologias para potencializar seus resultados, e principalmente aumentar o alcance da sua marca. Se você deseja entrar nessa onda e utilizar o poder da internet para alavancar o seu negócio, este é o lugar certo para começar!

Desenvolvendo um aplicativo próprio

É um fato que a maioria das informações consumidas na internet é obtida a partir de dispositivos móveis. Os smartphones estão cada vez mais potentes e as variantes fazem com que muita gente tenha acesso à um celular com tecnologia o suficiente para rodar alguns dos aplicativos mais famosos e úteis. Buscando facilitar o contato ou a compra, muitas empresas têm investido no desenvolvimento dos Apps próprios, e essa é uma alternativa muito interessante se sua base de usuários corresponde à um público que utiliza bastante do celular.

Para se propor a desenvolver um aplicativo próprio, é preciso entender muito bem quais os benefícios essa iniciativa trará para a sua empresa, ou seja, se o investimento feito terá retorno, mas também se o produto final será útil para o consumidor, caso contrário, após os primeiros usos o seu app será desinstalado por não ser eficiente. As plataformas mais importantes no mercado são o Android, iOS e Windows Phone, então procure atingir a todos esses públicos caso prossiga no desenvolvimento de um aplicativo.

Redes sociais e sua utilização nos negócios

As redes sociais tem pelo menos três utilizações básicas quando aplicadas aos negócios:

  • A primeira e mais utilizada é para o marketing da empresa, pois a partir delas é possível atingir um público muito grande, e difundir a identidade visual da marca, tornando-a conhecida e relevante no mercado.
  • A segunda utilização das redes sociais é como canal de vendas,  muitas já apresentam a possibilidade de fazer transações dentro da própria interface do aplicativo, desta forma, a página da empresa se configura como um canal de vendas aos clientes.
  • A terceira e talvez mais importante forma de utilizar as redes sociais é no suporte e no atendimento ao cliente! Estando no mesmo ambiente que seus consumidores, a empresa cria uma proximidade maior com eles e fica apta a responder com rapidez às dúvidas e problemas, criando assim uma sensação de satisfação que é imprescindível para que estes voltem a fazer negócios com você!

 

As possibilidades são muitas, e se você deseja mesmo utilizar as redes sociais em sua estratégia de expansão, precisará dedicar um tempo para planejar e produzir conteúdo de qualidade para o seu público-alvo. Depois de saber como as redes podem ser usadas em sua estratégia, agora é o momento de conhecer um pouco mais a fundo cada uma delas e o que se pode fazer para melhorar os seus resultados!

Facebook, o manda-chuva!

O Facebook é sem dúvidas a maior rede social do mundo. Sua base de usuários já passa de 1 bilhão de contas e esse número continua em crescimento. Toda essa grandiosidade acabou contribuindo com recursos para que a rede fosse se tornando cada vez mais interessante para os usuários, e também para as empresas.

Hoje o Facebook conta com um programa bem consistente de publicidade paga, que torna bem simples o anúncio de sua marca para a comunidade local, baseado na localização geográfica do seu estabelecimento e dos seus potenciais clientes, ou ainda na expansão levando a sua empresa para os lugares distantes e te trazendo sempre mais clientes.

O Facebook é uma das redes que podem ser utilizadas como canal de vendas, pois as fanpages criadas em sua plataforma já podem incluir um botão de compra, assim como uma vitrine para seus produtos.

Twitter, objetividade e velocidade!

Enquanto o facebook abriga um conteúdo mais extenso, o Twitter é a rede social perfeita para quem busca objetividade e velocidade. Dentro dessa rede você só pode digitar até 140 caracteres por vez, o que torna a informação muito mais sucinta ao usuário. A rede é ainda uma das que permite maior interação com os usuários, por isso é bastante eficiente se você busca criar engajamento com sua marca.

Ao criar uma conta no Twitter para a sua empresa, procure escolher um nome curto e fácil de digitar, assim os seus seguidores poderão fazer mais interações e divulgar os seus conteúdos.

LinkedIn, profissionalismo em conexões!

O LinkedIn é uma rede social, voltada para profissionais. Aqui não há o mesmo espaço para a informalidade do Facebook ou Twitter, principalmente porque é raro o contato entre a empresa e seu consumidor final, entretanto, as relações entre empresas parceiras é constantes, o que faz do LinkedIn uma rede fundamental para quem atua no comércio B2B ( Business to Business – transação comercial entre empresas).

Como saber se estou obtendo bons resultados?

Ao utilizar uma estratégia envolvendo as redes sociais, algo muito importante é a mensuração dos resultados. É fundamental documentar todas as técnicas que estão sendo utilizadas, assim como escolher métricas para serem observadas ao longo de um período de testes. Possuindo o sistema ERP da Brascomm 2.0 você poderá acompanhar o crescimento do número de vendas, de clientes que voltaram a comprar de sua empresa, e contar com um CRM para gerenciar a fidelidade e a satisfação de seus clientes.

Cada uma das características citadas acima, é importante para garantir que o investimento de tempo e de recursos feitos para manter seus perfis nas redes estão sendo correspondidos. As redes sociais ainda podem ser ótimos termômetros para os seus produtos, lá você pode descobrir se está ou não agradando aos consumidores e utilizar suas opiniões para chegar ao produto ou serviço perfeito!

Inbound Marketing: Como produzir materiais para geração de leads

Recortado de: https://motdigital.com/materiais-geracao-de-leads/

Você já sabe que a produção de conteúdo é o coração de qualquer estratégia de marketing digital. Você também já deve ter ouvido por aí que a geração de leads, ou seja, construir uma lista de e-mails, é importante para trazer resultados para o seu negócio.

Entretanto, existem tipos específicos de conteúdo que ajudam a trazer os resultados que você tanto espera. Conhecidos como “materiais ricos”, “iscas”, “materiais de conversão” ou até mesmo “materiais para geração de leads”, estes conteúdos precisam de um planejamento especial.

Neste artigo falaremos de alguns pontos essenciais para criar materiais que ajudem a gerar leads cada vez mais qualificados para o seu negócio. Para facilitar a sua leitura, dividimos este texto nos tópicos a seguir:

Preparado? Vamos começar!

  1. Por que gerar leads?

Apesar de o inbound marketing e a automação já terem chegado para muita gente, ainda existem segmentos que ainda estão de fora. Independente dos motivos para isso, é crucial entender a importância da geração de leads para o seu negócio.

Se a sua empresa (ou o seu cliente) atua no segmento de serviços ou produtos (físicos ou digitais), então gerar leads é muito importante para você. Mas qual tipo de negócio não precisa gerar leads? Apenas aqueles que já possuem uma demanda natural ou que as pessoas não necessitem de uma assistência para fechar uma compra.

Uma padaria, por exemplo, não precisa gerar leads para fazer o seu negócio funcionar no dia-a-dia. Contudo, se esta padaria oferece serviços de coffee break para eventos, por exemplo, já é interessante pensar em criar mecanismos para geração de leads.

A partir do momento em que você começa a captar leads, ou seja, construir a sua lista de e-mails, você assume um compromisso muito importante com estas pessoas. No livro Marketing de Permissão, Seth Godin fala sobre a construção de confiança e os cuidados que devemos ter com a nossa base de e-mails.

Dos vários princípios que Godin coloca no seu livro, destacamos dois deles que têm o mesmo nível de importância. O primeiro princípio fala sobre a origem da sua lista. Sendo mais direta, você JAMAIS deve comprar uma base de e-mails pronta de terceiros. Além de gerar resultados negativos, este tipo de ação cria bastante incômodo às pessoas que vão receber e-mails de alguém a quem elas nunca deram permissão.

O segundo princípio é a relevância e está diretamente ligado ao primeiro. Uma vez que você construiu a sua lista própria utilizando os seus materiais e as suas ofertas, é hora de pensar em como você vai se relacionar com estas pessoas. A regra de ouro para isso é simples, basta se perguntar: “este conteúdo vai acrescentar algo novo e interessante para estas pessoas?

Se a sua resposta para esta pergunta for “sim”, então você já pode desenvolver uma linha de relacionamento com esta lista.

  1. Como gerar leads?

Existem algumas maneiras que podem ser utilizadas para gerar leads. Tudo vai depender do tipo de material ou oferta que você irá disponibilizar para o seu público. Neste momento ainda não estamos falando sobre gerar tráfego, ou seja, atrair pessoas para estes materiais e ofertas (isso pode ser feito com anúncios de Facebook, Google Adwords, SEO e assim por diante).

Para que fique mais fácil compreender esta forma de captar leads para construir a sua lista de e-mails, dividimos as formas de gerar leads em duas estratégias:

  • Materiais para geração de leads;
  • Ofertas e produtos;

Falaremos logo mais sobre essas estratégias logo mais

Antes de falarmos das estratégias, precisamos ter uma estrutura bem estabelecida para receber esses leads. Você vai precisar dos seguintes recursos:

Se você está começando agora, não se preocupe, preparei este esquema gráfico para você entender melhor como esses recursos estão relacionados entre si. Veja a seguir:

Clique na imagem para aumentar

Já ajuda um pouco, não é?

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre a estrutura, vamos falar sobre o que vai ser veiculado na sua landing page, ou seja, a sua oferta ou material.

  1. Ofertas e produtos

As suas ofertas e produtos são uma maneira interessante de gerar leads. Existem casos em que eles, sozinhos, são capazes de gerar interesse (leads) sem depender de materiais para conversão. Porém, é importante lembrar que essas ofertas precisam estar bem claras e formatadas.

Se você vai utilizar este argumento para gerar leads, lembre-se de utilizar os pontos a seguir na hora de criar a sua landing page e os textos para ela:

  • O que faz dela única e irresistível?
  • Especifique o benefício da sua oferta;
  • Utilize uma linguagem simples e direta;
  • Mantenha seus formulários e botões sempre visíveis;
  • Traga respostas de dúvidas frequentes;
  • Tenha um canal para contato direto.

Geralmente, os leads que convertem em uma landing page de produto ou oferta são bastante quentes, ou seja, qualificados. Se você vende um serviço ou produto digital (cursos, ferramentas, e-books, recursos gráficos etc) é altamente recomendável que esta página leve até um check-out (página de finalização de compra).

  1. Materiais permanentes e dinâmicos

Para ter uma estratégia completa de inbound marketing que seja capaz de gerar valor para o seu lead, é muito importante considerar gerar materiais que sejam relevantes. É por isso que criamos a nossa Biblioteca de Materiais aqui na MOT Digital.

Basicamente, existem dois tipos de materiais que podem fazer parte da sua biblioteca: os permanentes e os dinâmicos. Entenda melhor as diferenças entre eles:

  • Materiais permanentes: São aqueles que têm maior tempo de vida e precisam de pouca ou nenhuma manutenção. Exemplo: e-books, ferramentas e kits.
  • Materiais dinâmicos: Permitem interação direta do lead após a conversão e a entrega. Exemplo: Webinários, quizzes e testes, planilhas e checklists.

Cada material tem características diferentes. Para saber qual deles é o melhor para a sua estratégia, verifique o seu estudo de personas. Caso você ainda não tenha criado as suas personas, este material poderá ajudar bastante.

Entretanto, é muito importante que você tenha um fluxo de automação para os seus materiais. Assim você mantém o relacionamento com o seu lead e agrega valor ao material que ele acabou de requisitar.

Ainda assim, é muito importante tomar cuidado com o tamanho desses fluxos e com o conteúdo desses e-mails. Evite uma sequência muito longa, bem como fazer ofertas logo de início. Pode ser que o seu lead não esteja no melhor momento para isso e você pode queimar suas fichas antes da hora.

  1. Entrega e utilização

Ter uma plataforma de automação de marketing é importante para facilitar o processo de entrega dos seus materiais – sejam eles permanentes ou dinâmicos. Já imaginou se você tivesse que responder manualmente a todos os pedidos de download do seu e-book? Ou se precisasse enviar acessos aos seus kits e ferramentas individualmente? Isso tomaria muito do seu tempo!

Por isso, sempre que você criar uma landing page com um formulário de conversão, determine a ação subsequente do envio deste formulário. Os detalhes dessa configuração vão depender muito de qual plataforma de automação você está utilizando.

Ainda assim, existe um padrão entre elas: você pode redirecionar o seu lead diretamente para o material que ele deseja baixar ou então enviá-lo para uma página de obrigado (thank you page) onde ele encontrará o link para o material.

Existem vantagens e desvantagens em ambas entregas. Porém, a vantagem de redirecionar o seu lead para uma página de obrigado é poder trazer ofertas relacionadas e fazer com que ele avance no seu funil de inbound marketing.

Além disso, é muito importante que você entregue este material também no e-mail do seu lead. Assim ele terá sempre uma cópia do link quando precisar fazer o download novamente.

  1. Conversões e etapas do funil

Ter diferentes materiais e ofertas é uma estratégia muito interessante para você compreender a evolução do seu lead dentro do seu funil de inbound marketing. A partir do momento em que o seu lead passa a consumir mais materiais dentro da sua biblioteca, você pode medir o nível de interesse dessas pessoas e trazer ofertas especiais para elas.

Por isso, é muito importante que você pense em materiais que atendam as diferentes etapas do funil (aquisição, reconhecimento do problema, consideração e ação). Lembre-se que cada uma das etapas pressupõe um nível diferente de maturidade e conhecimento que o lead tem sobre o seu nicho de mercado, assim como sobre a sua oferta.

É justamente por isso que você precisa ter materiais de transição, ou seja, aqueles que simbolizam a passagem de uma etapa para a outra dentro do seu funil. Pode ser que um e-book seja o ponto de transição entre o topo e o meio ou então um quiz seja o que faltava para o seu lead passar do meio para o fundo do funil.

Perfil falso nas redes sociais usava nome de atriz para assediar crianças

larissa-manoelars-696x464

A atriz e cantora Larissa Manoela, de 16 anos, foi alvo de um crime virtual. Um pedófilo usou seu nome e imagem para criar um perfil falso nas redes sociais, a fim de assediar crianças. Segundo informações de ‘O Globo’, o perfil vinha sendo usado há três meses e o envolvido já havia trocado mensagens e vídeos com as vítimas. Esse tipo de golpe, segundo a delegada Daniela Terra, não é raro. “Pedófilos estão usando cada vez mais nomes de artistas e jogadores de futebol para se aproximar das crianças”, alertou. A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, no entanto, já retirou o perfil do ar.