Quem realmente é pobre?

Bem, tudo vai depender da régua utilizada para mensurar.

Quem realmente é pobre?

Objeto de desejo da maioria dos seres humanos, o carro está presente na lista dos sonhos de consumo da maioria dos brasileiros. Na cultura em vigor, isso simboliza a conquista da liberdade, aquisição de autonomia. Ter um carro significa ter poder, ser bem-sucedido. Mas não basta ter, é preciso ostentar. Assim, as pessoas estão sempre procurando trocar o seu veículo por outro melhor, pois quanto maior e mais imponente o carro, mais importante e respeitada é a pessoa. 

Você pode até dizer que não é bem assim. Será que não? Então experimente começar a se deslocar dentro da sua cidade sem carro durante uma semana. Imagine-se naquela confraternização da empresa, e de repente você levanta antes de acabar e diz de peito aberto que precisa ir embora mais cedo, senão perde o último coletivo ou metrô. Quando todos os amigos combinarem de se encontrar na lanchonete para bater um papo, você sabe que aquela garota que você está paquerando a um bom tempo estará presente. Enquanto todos chegam e encostam seus carros na porta, você chega com sua bicicleta e ainda pergunta se pode colocá-la dentro do estabelecimento, pois tem medo de que seja roubada.

Complicado não é mesmo? Mas onde está o problema? O problema é cultural. Aprendemos que aquele que não possui seu próprio veículo é limitado. Isso é embutido em nosso subconsciente por meio de filmes, novelas, comerciais, propagandas em revistas e até mesmo nos brinquedos infantis.

A indústria do automóvel move milhões e gera milhares de empregos, o que é muito bom para qualquer país. Mas qual é o custo do pós-venda? Milhões de reais necessitam ser gastos para criar infraestrutura suficiente no deslocamento desses veículos no dia a dia. O pior de tudo é que por mais que se invista em infraestrutura, sempre é insuficiente para que os problemas de transporte sejam resolvidos, pois enquanto o investimento em novas vias para deslocamento dos carros tem um crescimento linear, a venda de veículos tem crescimento exponencial. Some a isso os custos para manutenção da estrutura que já existe.

Pude presenciar no centro de Londres, capital da Inglaterra, ruas sendo “estreitadas” para construção de calçadas. Fico pensando quando isso acontecerá no Brasil. Na França, é comum ver mulheres com seus saltos altos, meias finas e bolsas de grife pedalando suas bicicletas a caminho do trabalho. A Holanda possui uma rede cicloviária maior que a malha rodoviária, e o número de bicicletas é maior que o número de habitantes. Isso sem dizer que nesses países os ônibus coletivos e os metrôs funcionam de maneira integrada e com um único bilhete você pode sair de um e entrar em outro, desde que não ultrapasse o tempo de 10 minutos de intervalo.

A Holanda sempre apresentou problemas por estar localizada abaixo do nível do mar e com isso desenvolveu tecnologias que bombeiam a água de volta e criou dicks para estancar a água. Estudos indicam que se não fossem esses artifícios, 70% das suas áreas produtivas estariam debaixo d’água. Com o aquecimento global e o consequente aumento dos níveis dos oceanos, esse país seria o principal prejudicado. Com isso, já se estuda o aumento dos valores de impostos para que os veículos automotores, diminuindo a sua circulação e a emissão de compostos de carbono na atmosfera, minimizem os efeitos do aquecimento.

Então eu pergunto: será mesmo que bicicleta e transportes públicos são coisas de pobre? Não é por acaso que esses países estão entre os mais ricos e desenvolvidos do mundo. Pobre é quem se fecha dentro da sua redoma de aço e se julga intocável. Passa horas parado em engarrafamentos acreditando ter o poder e o controle da situação.

Mas o que mais me motiva é pensar o quanto as coisas mudam ao longo do tempo. Nos anos 70, Hollywood vendia a imagem de que pessoas bem-sucedidas deviam estar sempre com um cigarro nas mãos. Atores famosos apareciam mergulhados em fumaças de cigarro e os grandes galãs sempre davam uma grande tragada de cigarro antes de beijar a tão linda e desejada estrela hollywoodiana. Assim, milhares de pessoas em todo o mundo passaram a fumar. Com o passar dos anos, as autoridades perceberam que o valor gasto em saúde é muitas vezes superior aos benefícios oriundos dos impostos recebidos dessas indústrias, juntamente com os empregos gerados. Assim, percebemos uma mudança extraordinária nessa visão. Atualmente, fumar já se tornou um ato deselegante e proibido em lugares fechados. Os fumantes precisam procurar por locais separados para não incomodar os demais. Atendentes com cheiro de fumaça de cigarro são evitados por empresas, por relacionar a sua imagem a de pessoas descuidadas com si próprias.  E como alguém que não cuida bem de si mesmo poderá cuidar da empresa de terceiros?

Pensando novamente na mobilidade urbana, as vias públicas se tornaram inviáveis na maioria das cidades brasileiras. Em poucos anos, presenciaremos São Paulo parar em função dos seus mega-engarrafamentos. Mas, a exemplo dos cigarros, tenho certeza de que a consciência ecológica e social ainda entrará na moda. E poderemos ver pessoas se movendo pelas vias públicas por meio de coletivos, metrôs, bicicletas e também em carros, em menor proporção. Isso representará um ganho imensurável para a saúde pública, o meio ambiente, a cidadania e o respeito ao próximo.

Conheço e invejo muitas pessoas que deixam seus carros e motos em casa e utilizam a bicicleta como meio de transporte, faça chuva ou faça sol. São pessoas conscientes o suficiente para não se importarem com o que as pessoas pensam a respeito delas. Simplesmente agem da maneira que julgam certo e pronto. Recentemente, em uma roda de amigos, um de nós disse: “sou louco para adotar a bike no meu dia a dia, mas não abro mão do conforto do meu carro”. De imediato, outro retrucou: “não vejo nada demais na sua atitude mas, assim como eu, terá de conviver também com o excesso de peso, das altas taxas de colesterol no sangue, do cansaço diário ao final do dia, do aumento da probabilidade de infarto e ainda estar disposto a abrir mão de boa parte do conforto acumulado para pagar as despesas de saúde, à medida que a idade avançar.”

Quem realmente é pobre? Bem, tudo vai depender da régua utilizada para mensurar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s