Google app pode ganhar o melhor recurso para quem não quer perder tempo com vídeos longos

Recortado de: http://www.tudocelular.com/android/noticias/n93203/google-app-recurso-tempo-assistir-video.html

Vivenciamos uma das eras mais pragmáticas da tecnologia, e neste mundo conectado saturado de pessoas que precisam equilibrar uma infinidade de atividades no dia a dia, sem dúvida uma ajudinha das gigantes da indústria seria muito bem-vinda – e o exemplo mais recente traz o nome de ninguém menos que a mãe do Android!

Para os fãs do Google que utilizam regularmente um celular rodando os serviços de Mountain View, é quase que do conhecimento geral que diversos apps no Android seguem ganhando um “tapa no visual” no decorrer de maio, em especial para a ferramenta padrão de buscas.

Mas eis que um novo vazamento sugere que o motor de buscas do Google pode ficar ainda mais prático e inteligente em outro quesito bastante recorrente no cotidiano dos usuários – a reprodução de vídeos.

A imagem compartilhada nesta semana em uma rede social mostra que o Google poderia estar testando o novo recurso que destaca somente as partes relevantes de um vídeo, após o usuário buscá-lo no aplicativo – confira na captura de tela abaixo para compreender melhor:

A imagem mostra um vídeo de mais de 8 minutos com um fragmento em destaque a partir dos 0:24 segundos, facilitando a vida de quem não tem tempo de assistir até o fim para descobrir as informações importantes da publicação.

O Google app supostamente mostra exatamente o que cada usuário quer saber no vídeo, um conceito que também pode parecer meio bizarro até certo ponto!

Ainda não está claro se este modelo será restrito ao Android ou se também estará presente nas demais plataformas mobile e desktop, até porque o vazamento ainda é bem recente.

Tenha em mente que o Google, até o momento, não comentou a respeito da imagem compartilhada, e não podemos confirmar com plena convicção se o recurso está a caminho de forma oficial.

Redes sociais ajudam a promover empresas, mas requerem profissional especializado

Recortado de: http://www.capitalteresina.com.br/noticias/tecnologia/redes-sociais-ajudam-a-promover-empresas-mas-requerem-profissional-especializado-51045.html

Cada vez mais empresas utilizam as redes como meio de divulgação de sua marca.

Autor: Alline Vasconcelos 

As redes sociais, nos últimos anos, tornaram-se um dos canais mais importantes e efetivos para as empresas promoverem suas marcas e produtos por meio da interação com seus clientes ou clientes em potencial. Como ferramenta para melhorar a comunicação empresarial, as redes vêm sendo utilizadas como um mix de apresentação de serviços, com prévias de novidades e tira dúvidas. Ela possibilita ainda uma interação maior com o público, o que faz com que a sua utilização precise ser planejada e cuidadosa.

Foto/Thiago Amaral 

Assim, para que este trabalho seja bem executado, é primordial recrutar uma equipe capacitada, ágil e inteligente para garantir que as mensagens e publicações promovam oportunidade de negócios. O Social Media Manager ou o gerente de mídia social, profissional em ascensão no mercado de trabalho atual é imprescindível.  

Entre as competências deste profissional estão a de criar conteúdo, responder comentários e questionamentos, além de manter a atualização da página.  O gerente de mídia social, portanto, recebe a confiança da organização para o monitoramento e promoção de sua presença nas redes sociais.

 Presença requerida em empresas do mundo todo, o social media também vem sendo solicitado pelo mercado teresinense. O publicitário Alessandro Diniz, que é diretor executivo e proprietário de uma agência local há 4 anos, falou sobre os desafios do trabalho de monitoramento e gerenciamento de redes e alertou sobre a falsa concepção de que administrá-las é um trabalho que qualquer um pode fazer.

 “É um trabalho que muitas vezes o cliente acredita ser fácil e que qualquer pessoa sem muito conhecimento possa desenvolver, exatamente por se tratar de ferramentas que foram desenvolvidas para o entretenimento, porém, hoje a gente sabe do poder que as mídias possuem na hora de propagar uma marca como também ter um feedback (retorno) dos usuários e clientes, e por isso esse é um trabalho sério e como tal deve ser bem valorizado”, pontua.

 Alessandro diz que em Teresina a visão acerca do social media é pouco profissional e que a sua valorização deve partir primeiramente dos proprietários de agências para depois chegar ao cliente. “Eu acredito que essa valorização deste profissional em parte é de responsabilidade nossa, publicitários, donos de agências, que devemos mostrar aos clientes a importância de um profissional capacitado para atuar nas redes sociais dele”, diz.

Condenado por estupro, ex-estudante da UFG volta a assediar pelas redes sociais

Recortado de: http://portal6.com.br/2017/05/17/condenado-por-estupro-ex-estudante-da-ufg-volta-a-assediar-pelas-redes-sociais/

De Anápolis, rapaz diz que é produtor cultural e promete empregos de modelo a mulheres mas intenção é outra

Um velho conhecido da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Goiânia voltou a atacar. Se trata de Hugo Rodrigues da Cunha Silva, de 25 anos, ex-estudante de Artes Visuais na Universidade Federal de Goiás e morador de Anápolis.

Se apresentando como Hugo Rodriguez (com ‘z’ mesmo), o rapaz diz que é produtor cultural e promete empregos de modelo a mulheres. Tudo pelas redes sociais, como WhatsApp e Messenger do Facebook. Já condenado a seis anos de cadeia por estupro após ser reconhecido por 14 vítimas, o rapaz mais uma vez é assunto na imprensa do estado.

Ao O Popular, Vitória Mendes, de 21 anos, contou que recebeu um convite de Hugo para um teste de moda e teatro, mas não pôde responder uma mensagem enviada por ele por estar em um ensaio. A partir daí, segundo ela, iniciaram as perseguições.

“Foi um inferno na terra! Me mandou inúmeras mensagens e me ligou 04h”, desabafou. Vitória ainda não prestou queixa na polícia, mas uma comissão da seccional Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO) já disse que enviará ofício à DEAM para saber como estão investigações dos mais de  30 casos relacionado a Hugo.

Em relato, algumas vítimas contaram que foram convencidas até a mandarem fotos para Hugo e que quando negavam, recebiam xingamentos e ameaças.

Soltura

Quando esteve preso no presídio de Anápolis, em 2014, a defesa de Hugo recorreu a sentença em primeiro grau após o vazamento de um vídeo em que o condenado aparece apanhando e sendo violentado por outros presos.

A delegada Ana Elisa Gomes Martins, titular da DEAM de Goiânia, relatou que o anapolino pratica crimes de menor potencial desde que saiu da prisão.

“Os registros contra ele são pelos crimes de ameaça, injúria e difamação, que são registrados por Termo Circunstanciado de Ocorrência. Não há restrição de liberdade nesses casos”.

A delegada ainda informou que há procedimentos contra ele na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Anápolis e nas Delegas de Atos Infracionais (DEPAI) de Goiânia e Anápolis.

O Facebook começa a apresentar armas contra as notícias falsas

As notícias falsas (fake news, no termo em inglês) que circulam pela internet têm mostrado o grave dano que podem causar. Em um texto que publiquei neste blog, por exemplo, provei como uma história fabricada pode facilmente repercutir no Facebook, sem contestações (confira no link). Além disso, um estudo da Universidade de Columbia, nos EUA, provou que 59% dos usuários de redes sociais tendem a compartilham um conteúdo antes mesmo de lê-lo ou vê-lo. Outra pesquisa, da Universidade Stanford (EUA), exibiu como mais de 80% dos jovens não conseguem distinguir uma notícia falsa de uma real nas plataformas digitais. No último sábado (13), realizei uma palestra sobre o assunto, em um TEDx, no qual pontuei três atores que participam, de alguma forma, do ciclo de disseminação das fake news e que, portanto, podem ajudar a conter essa onda: os produtores de conteúdo; os leitores, usuários das redes sociais; e as plataformas digitais, em si, como o Facebook (em breve colocarei neste blog o vídeo desta apresentação). Então, é uma ótima notícia saber que estes últimos não só passaram a demonstrar preocupação com o tema, como estão agindo para ao menos mitigar o problema. É o que prova a novidade que o Facebook divulga hoje (17): uma série de atualizações em seus algoritmos pretendem reduzir o número do que chamam de “manchetes exageradas ou enganosas, conhecidas como ‘caça-cliques’”, na rede social.

O comunicado que será soltado pelo Facebook afirma que a empresa “está comprometida a construir uma comunidade informada e recentemente anunciou esforços para reduzir a desinformação, incluindo dicas para ajudar as pessoas a identificar notícias falsas, ferramentas para aumentar a diversidade de pontos de vista e medidas contra perfis falsos e anúncios de baixa qualidade.” Agora, porém, a companhia vai além, ao recorrer a uma de suas armas mais poderosas: seu algoritmo. A partir de hoje, o Facebook usará de softwares de inteligência artificial para identificar frases e termos usualmente usados nos “caça-cliques”, muitos dos quais links com notícias falsas.

A técnica é similar à utilizada por serviços de e-mails para filtrar spams. Após categorizar milhares de publicações desse tipo, uma equipe do Facebook criou filtros que podem identificar esses posts. De início, o recurso já será aplicado em publicações escritas em uma dúzia de idiomas, incluindo o português. Ainda não está totalmente claro o que o Facebook fará após detectar um desses “caça-cliques”. Contudo, o mais provável é que haja uma avaliação de como reagir a cada caso. A atitude, então, deve ser executada por uma equipe de profissionais que a empresa tem formado com tal objetivo.

Dará certo? É preciso testar para saber. Contudo, já é um alívio saber que haverá esse teste.

A internet apresentou ao mundo um dilema. Um que poderia ser bem descrito pelo termo duplipensamento (que, sim, ainda poderia ser aplicado a tantos outros fenômenos do mundo virtual). Criada pelo escritor inglês George Orwell (1903-1950), no clássico de ficção-científica 1984, a expressão descreve a convivência, em espantosa harmonia, de duas ideias conflitantes. No cenário distópico do maravilhoso romance orwelliano, o duplipensamento era uma forma de controle social exercida por uma autocracia. Nas redes sociais, em comparação, representa como as pessoas nunca leram tanto, tiveram contato com tanta informação (o que é incrível!), quanto hoje, na era digital. Entretanto, ao mesmo tempo, a desinformação nunca contaminou o mundo tanto quanto hoje, também, se espalhando rapidamente (e globalmente) por essas mesmas redes sociais. Nessa balança, a esperança é que prevaleça o primeiro ponto, positivo, não o segundo, negativo. Para que isso ocorra, são necessárias ações como a que o Facebook divulga hoje.

Vício por internet

perigos-da-internet-virusO barco vira mesmo quando o acesso às redes sociais se torna compulsão. A psicóloga Kimberly Young, do Centro Médico Bradford, nos Estados Unidos, dá pistas sobre o vício: sentir-se cada vez mais com vontade de usar as mídias, conectar-se para livrar-se dos problemas, ficar triste ou incomodado quando não pode acessá-las e utilizar tanto que há repercussões negativas em seus relacionamentos.

“O primeiro passo para solucionar a compulsão é admitir sua existência. O segundo é reduzir drasticamente o tempo on-line. Em vez de se atualizar nas redes a cada minuto, proponho só duas vezes por dia”, diz Kimberly. Se o usuário desconfia que já perdeu o controle, tem de pedir apoio. “Na dúvida, vale procurar um psicólogo, que vai avaliar o caso e, se julgar necessário, também fazer o encaminhamento ao psiquiatra”, sugere a psicóloga Dora Góes, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Mas, antes de sair por aí pensando em desativar os perfis no Face, Insta e cia., saiba que não é todo internauta que está na zona de risco da dependência digital. Para a maioria, a solução é assumir uma postura mais moderada e ativa nas redes. Quem assina embaixo é o psicólogo americano Ethan Kross, da Universidade de Michigan. Durante duas semanas, ele e sua equipe analisaram o comportamento de 84 universitários. Os voluntários foram orientados a usar o Facebook por dez minutos e, por meio de mensagens de texto por celular, responder o que estavam sentindo naquele momento. “Quanto mais passivos os usuários, mais tristes e invejosos eles são”, constata Kross. “Ao bisbilhotar a vida digital dos outros, essas pessoas tendem a achar que a delas é a mais desinteressante de todas”, analisa o estudioso.

A pesquisadora Hanna Krasnova, da Universidade de Potsdam, na Alemanha, concorda. Para evitar a famigerada depressão de Faceboook, recomenda aos usuários só compartilhar informações relevantes, interagir com os amigos virtuais e, em hipótese alguma, comparar sua vida à dos demais. “As redes sociais, por si só, não fazem bem ou mal. Tudo depende do uso que fazemos delas”, pondera. Evitar exageros e ter uma postura ativa, sem cair na hiperexposição, parece uma das formas de desfrutar melhor desse ambiente.

5 dicas chave para otimizar seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociais

Para obter resultados positivos com suas campanhas de Marketing Online nas Redes Sociais, é preciso ordenar sua atividade a partir de uma estratégia. Somente dessa forma é possível aumentar a produtividade e eficiência! Por isso, hoje eu vou compartilhar com você 5 conselhos essenciais para maximizar a eficiência das suas ações de Marketing Online nas redes sociais

marketing online nas redes sociais

1- Organize sua estratégia de publicação

Existem dois elementos fundamentais que devem estar presentes no seu trabalho de Marketing Online ou Marketing de Conteúdos nas redes sociais para que você consiga ter um sucesso sustentável no tempo. O primeiro deles é ter um objetivo claro, uma vez que sem uma meta, sem saber onde você quer chegar, é muito difícil orientar seus esforços de forma eficiente.

Em segundo lugar, é preciso ordenar suas atividades no sentido de administrar seus recursos da melhor forma para conseguir atingir seus objetivos. Sendo assim, a melhor forma de gerenciar suas tarefas de social media é definir e documentar sua estratégia de marketing nas redes sociais para atingir metas concretas.

Isso é o que as estatísticas dizem, já que 36% dos negócios que trabalham com uma estratégia documentada consideram-se bastante eficientes, três vezes mais do que os que não contam com estratégias documentadas. Por outro lado, nesta instância, você precisa saber quais são as redes sociais nas quais vai trabalhar, tudo para encontrar seu público-alvo.

Aconselho que você inclua o Facebook entre suas redes, já que, pelo seu tamanho, é bastante factível que seu público se encontre nesta plataforma. Além disso, oferece várias vantagens publicitárias que permitem maximizar a eficiência dos seus investimentos. Por outro lado, se seu público é majoritariamente feminino, aconselho que você publique no Pinterest, plataforma com 85% do público composto por mulheres.

2- Use as ferramentas adequadas com sua equipe de trabalho

Outro ponto fundamental na hora de maximizar a eficiência dos seus trabalhos de Marketing Online ou de Marketing de Conteúdo é usar as ferramentas adequadas. Tudo para simplificar a execução de suas tarefas e aproveitar melhor o tempo. Assim, na hora de criar conteúdos para o seu blog ou perfis nas Redes Sociais, aconselho que você use:

ArtStudio: Um completo editor de imagens online que oferece vários recursos para criar um design atrativo sem que seja necessário ter muitos conhecimentos específicos. Além disso, permite que você compartilhe cópias editáveis das imagens com os outros membros da equipe que podem usá-las novamente ou traduzir os conteúdos com mais facilidade.

marketing online nas redes sociais

Google Docs: Excelente alternativa para revisar documentos de forma colaborativa. Essa ferramenta permite que você crie e edite documentos e textos online, inserir comentários, salvar cópias na nuvem ou baixar para o computador. Além disso, é ideal para trabalhar em equipe, já que manda notificações quando alguém interage com o documento.

BuzzSumo: trata-se de um buscador online que lhe permite decidir que tipos de conteúdos vai publicar no seu blog. Com BuzzSumo, você pode analisar quais são os conteúdos mais compartilhados pelos seus concorrentes ou pelos melhores blogs nas redes sociais e usá-los como referência na hora de criar seus próprios artigos.

3- Defina um método prático para manter suas contas sempre atualizadas

Como você já sabe, suas contas sociais não existem somente para difundir artigos do seu blog. Muito menos para compartilhar somente as ofertas do seu negócio. Muito pelo contrário, suas contas são um espaço de permanente encontro com o seu público e você precisa mantê-las ativas e publicar conteúdos interessantes várias vezes por dia.

É importante destacar que conteúdo interessante faz referência às publicações capazes de informar, educar, comover ou entreter o público. Ou seja, capazes de oferecer valor agregado. Dessa forma, uma vez que você tenha encontrado as melhores fontes externas de conteúdos, é hora de atualizar suas contas permanentemente.

Aconselho que você defina os melhores horários para publicar em cada Rede Social com a ajuda de programas de analíticas como o Facebook Insigths ou Twitter Analytics. Com estas ferramentas, você pode anotar quais foram as horas em que seu público se mostrou mais ativo em relação às interações com suas postagens. Também sugiro que você crie um calendário de postagens.

E finalmente, para não ficar louco ou passar noites em claro para conseguir manter todas as suas contas sociais em dia, recomendo que você use Postcron, a ferramenta que permite que você programe suas publicações no Facebook, Twitter, LinkedIn, Google e Pinterest para que as mesmas sejam compartilhadas automaticamente nos horários que você indique.

marketing online nas redes sociais

4- Identifique seus melhores conteúdos e compartilhe-os novamente

Outra forma de aumentar a eficiência do seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociais tem a ver com maximizar os benefícios obtidos pelas melhores publicações. Em outras palavras, aproveitando a constante renovação do público, a ideia é identificar os posts de maior sucesso em cada rede e voltar a publicar o mesmo conteúdo.

Assim, se você precisa aumentar a CTR ou Click Through Rate (ou seja, a quantidade de clicks que seus links recebem), a melhor coisa é selecionar as postagens de maior sucesso que tenham links a sua página ou blog. Isso também vai ajudar a aumentar o tráfego web.

Por outro lado, também é bastante aconselhável voltar a compartilhar as publicações bem recebidas pelo público e que falem sobre outras temáticas já que as mesmas são efetivas na hora de ganhar novos seguidores e gerar interesse em quem não tenha visto suas postagens anteriores.

Dessa forma, recomendo que você reutilize conteúdos em todos os seus perfis sociais após algumas semanas (mais ou menos duas) até voltar a compartilhar novamente seus melhores posts. Ainda assim, sugiro que você o faça sempre em horários diferentes para não entediar seu público e aumentar as possibilidades de atingir usuários com diferentes hábitos em relação aos horários.

5- Otimize suas Publicações RRSS

Finalmente, para aumentar a eficiência e produtividade do seu Trabalho de Marketing Online nas Redes Sociais, você pode colocar em práticas as seguintes recomendações específicas para cada plataforma:

No Twitter:

  • Se você precisa aumentar a CTR, tente não incluir hashtags ou menções nos seus tweets e sim somente o link que você quer promover, já que, de outra forma, as pessoas vão ter opções demais para clicar e as possibilidades de aumentar o tráfego diminuem.
  • Fixe um tweet na parte superior do seu perfil que contenha as informações ou links que você precisa promover.
  • Lembre-se de colocar links para sua página web na sua bio do Twitter.

marketing online nas redes sociais

No Facebook:

  • Etiquetar usuários pode servir para maximizar a exposição, mas sempre que você o faça, crie tags na descrição da publicação, não nas fotos. Caso contrário, você pode parecer invasivo.
  • Lembre-se de usar imagens atraentes em todas as suas postagens para criar o famoso Stopping Power, ou seja, conseguir fazer que o usuário se detenha para ver a sua postagem em meio ao mar de publicações que aparecem no seu newsfeed.
  • Aproveite a função Destacar Vídeo no Facebook para apresentar seu negócio ou promover seus produtos e serviços usando conteúdos audiovisuais.

No LinkedIn:

  • Crie páginas do seu negócio e dos seus produtos ou serviços e complete os perfis com imagens, descrições e links para sua página. Isso vai melhorar a sua imagem de marca e, de quebra, ainda potencializa a exposição dos seus conteúdos.
  • Revise frequentemente as sugestões de contatos para seguir conectando-se com pessoas vinculadas a seu ramo de atuação e estejam potencialmente interessadas em seus produtos.
  • Aproveite os filtros do buscador do LinkedIn para encontrar potenciais clientes (especialmente se você faz marketing B2B).

No Pinterest:

  • Sempre use imagens em alta resolução. Tenha em conta que esta rede social funciona, em grande medida, como um catálogo online, portanto uma boa apresentação é fundamental.
  • Tire proveito dos boards na hora de apresentar suas coleções. Por exemplo, se você vende móveis, um painel poderia se chamar “Móveis de jardim”.
  • Lembre-se que cada nome no Pinterest funciona como uma tag nos resultados das buscas. Então, seja preciso e claro para que os usuários possam lhe encontrar com facilidade.
  • E isso é tudo por hoje! Coloque em prática estes 5 conselhos e você vai poder maximizar a eficiência do seu trabalho de Marketing Online em Social Media.

Em negócio que está ganhando, é preciso mexer

Nessa semana, estava conversando com um empreendedor na faixa de 35 anos sobre algumas mudanças que eu acreditava que ele deveria fazer em seu negócio. Após expor minhas idéias, ele me disse: “Sempre fiz como faço hoje e sempre deu certo!”.

Confesso que, ao longo de minha carreira como consultor e também investidor, já ouvi essa frase, com roupagens diferentes, inúmeras vezes. Mas nunca de um empreendedor nessa faixa de idade. Claro que não deixei de falar o que falo há anos para todos os empreendedores que me disseram isso: “Esse é o primeiro sinal, e talvez o mais sutil deles, de que a sua decadência está por vir”.

Não digo isso baseado em teorias, e menos ainda na minha frase predileta de Peter Drucker – ele defende que “mais arriscado que mudar é continuar fazendo da mesma forma”. Digo isso por causa das centenas de casos que presenciei de empreendedores que ficaram excessivamente apegados ao sucesso que obtiveram, à marca que criaram e às soluções extremamente criativas (para aquele momento) que deram para problemas que pareciam insolúveis. É como dizem os prospectos de qualquer gestora de investimentos: “Resultados e desempenhos passados não garantem o desempenho futuro”.

É um raciocínio óbvio. Nada do que fizemos no passado de nossos negócios, e que deu certo, garante que continuarão dando no futuro. E por quê? A resposta carrega mudanças que nem sempre quem está submerso na operação e ofuscado pelo sucesso consegue enxergar. Muitas coisas se transformam durante a trajetória de uma empresa: o perfil do consumidor, a tecnologia, o perfil e os anseios do colaborador, a comunicação e propaganda, a responsabilidade social e a sustentabilidade, entre outros.

Esse conjunto de mudanças, agregadas aos novos concorrentes – que já começam seus negócios entendendo os “buracos’ deixados por você e sabendo suas fraquezas e erros atuais – impõe a necessidade de repensar ou até pivotar o seu negócio, mesmo que essa mudança possa parecer radical e arriscada demais.

Por causa da conversa com o empreendedor acima, lembrei de diversas histórias de empreendedores que decaíram quando estavam no auge de seus negócios. Com base nas lições aprendidas com esses casos, elaborei uma lista com aqueles que, na minha opinião, são os sete pecados capitais dos empreendedores.

1. Acreditar que uma formula de sucesso dará sempre bons resultados.

2. Menosprezar os concorrentes, independentemente do tamanho deles. Novos concorrentes são pequenos, da mesma forma que você foi um dia, mas já nascem sabendo o que você faz de errado e enxergando oportunidades que você não está vendo. Em vez de menosprezar a competição, estude-a e veja o que pode aprender com os mais jovens. Essa análise pode dar importantes informações sobre as mudanças que estão por vir.

3. Afundar a cabeça na operação. É fundamental não se fechar na operação e esquecer do mundo. Mas também não é recomendável se descuidar dela. Sim, pode parecer paradoxal, e trata-se de um dos maiores desafios do empreendedor. Não abandonar o dia a dia, o gerador de receita, as pessoas, os processos. E ao mesmo tempo não permitir que essa tarefa o impeça de pensar em inovação, em estratégias, em mudanças. Como fazer isso? Aprenda a dividir e a delegar.

4. Achar que sabe tudo. Empreendedores se acostumam, durante um determinado período da vida de suas empresas, a ter de saber um pouco de tudo. Conforme o negócio cresce e fica mais complexo, demandará competências que você não domina. Tenha humildade para buscá-las fora de você e recolocar-se nesse “novo negócio”, usando as suas melhores habilidades. E, caso essas habilidades não servirem mais, tenha a humildade de se demitir e buscar o novo, para o bem do seu negócio.

5. Ser teimoso. Muitos empreendedores confundem “ser obstinado” com “ser teimoso”. São duas características muito próximas, mas com respostas que podem ir do céu ao inferno. Ser obstinado pode garantir a resiliência que você precisa para tocar o negócio. Mas é preciso também ser humilde para buscar críticos, pessoas que apontem as falhas no seu modelo de negócio – e em você.

6. Investir em ativos, achando que vão dar segurança a empresa. Já foi o tempo em que sede própria era sinônimo de segurança. Eu já vi empresas de comunicação investindo em parques gráficos e não em comunicadores, esquecendo que o seu negócio não era imprimir jornal. Em um mundo onde a velocidade é um dos fatores decisivos para o sucesso, sua empresa deve ser leve para poder ser rápida.

7. Misturar o seu negócio com a sua vida particular. Já vi centenas de empreendedores sugando o caixa da empresa para sustentar o seu padrão de vida. Isso não é justo com a empresa que você criou, com seus colaboradores e com as pessoas que “pularam” com você para dentro desse sonho. Diminuir seu padrão de vida não é demérito. Muitas vezes, é fundamental para a sobrevivência e sucesso futuro do seu negócio.

Fonte: Carlos Miranda – PEGN